Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

V(iv)endo por aí...

Olá, estou Viva da Silva e o meu ser habita por entre Livros, Amores e Lugares

V(iv)endo por aí...

Olá, estou Viva da Silva e o meu ser habita por entre Livros, Amores e Lugares

Toda a minha Raiva, Sabaa Tahir

Post Instagram Dia do Leitor Papel Minimalista (7)

E se eu disser que provavelmente já tenho um dos meus livros favoritos do ano?! Comecei este mês a ler este "livrinho", sem saber muito bem o que esperar dele. Sabia que abordava temas fortes, tendo como "gatilhos" (⚠️trigger warnings ) a islamofobia, violência, problemas de adição e a morte. No entanto, "All my Rage" é muito mais do que isso, é uma história de amor e amizade de duas almas desesperadas que procuram dar sentido a todo o caos que os rodeia.
Noor, é uma imigrante paquistanesa que chega à América com seis anos sem saber inglês e com uma história de vida pesada. Fora a única sobrevivente da sua família após um terramoto poderosíssimo que abalou o Paquistão, sendo este o acontecimento que mudou completamente o curso da sua vida. Se não fosse o seu tio, emigrado nos EUA, a encontrá-la no meio dos escombros, Noor provavelmente também teria morrido.

“I’ll survive this. I’ll live. But there’s a hole in me, never to be filled. Maybe that’s why people die of old age. Maybe we could live forever if we didn’t love so completely. But we do. And by the time old age comes, we’re filled with holes, so many that it’s too hard to breathe. So many that our insides aren’t even ours anymore. We’re just one big empty space, waiting to be filled by the darkness. Waiting to be free.”

Assim, existe um sentimento intrínseco de dívida muito grande para com o seu tio que leva Noor a aceitar o inaceitável. Ele rejeita completamente a sua cultura e religião, pressionando Noor a abdicar dos seus valores e também dos seus sonhos. Tudo fica mais fácil para ela, quando conhece Salahudin, que é filho de um casal de emigrantes paquistaneses que trazem o sonho de viver uma nova vida longe do passado traumático, Misbah e Taufiq. Misbah é uma mulher incrível que carrega demasiado sobre si: marido alcoólico e problemas económicos para gerir o seu negócio. Tudo piora, quando descobre que está doente e não conseguirá mais influenciar positivamente a vida de Sal e Noor; deixando esse fardo para o seu filho, que infelizmente começa a fazer más escolhas, tentando a todo o custo conservar aquilo que a mãe deixara. Porém, na vida por vezes é necessário deixar para trás ideias, lugares, pessoas, de modo a avançar.

“Anger doesn't really cover what I feel, though. You get angry because someone almost runs you over in the bike lane. Angry because someone cuts in line at Walmart.
What's the word for when someone drinks so much, they are ruining your best friend's life? Or the word for a man so vengeful about his own past that he wants to destroy your future? What's the word for a woman who was sick for months, but refused to go to the doctor until it was too late? The word for a girl at school whose personal mission is to mess with your head?
Anger 's not the right word.
Rage. That's what this feeling is, eating me up.”

“Rage can fuel you. But grief gnaws at you slow, a termite nibbling at your soul until you're a whisper of what you used to be.”

“If we are lost, God is like water, finding the unknowable path when we cannot”

Tahir dá-nos ainda música, que é uma ajuda valiosa contra adversidades.

“But mostly it taught me that music can be more of a home than four walls and a roof.”


É sobre dor e o preconceito que as minorias enfrentam na busca duma vida melhor, e como por vezes tudo parece descarrilar, pois para estas comunidades um erro é fatal e nem sempre existem segundas oportunidades.

“All my rage seethes inside me and there’s no place for it to go. I thrash. I scream. I snarl and bite. I let it course through me. I let it take me.”

“I wonder what it’s like to be with someone who can love you through your rage.”

É, assim, uma história sobre como a RAIVA por vezes é avassaladora e pode mesmo consumir-nos se não tivermos cuidado, pelo que deveremos tentar perdoar, ao outro e a nós ✨️