Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

V(iv)endo por aí...

Olá, estou Viva da Silva e o meu ser habita por entre Livros, Amores e Lugares

V(iv)endo por aí...

Olá, estou Viva da Silva e o meu ser habita por entre Livros, Amores e Lugares

A Vida Livresca de... Nina Hill... que poderia ser um pouco a minha

Post Instagram Dia do Leitor Papel Minimalista.png

Como não amar um livro sobre livros?! Ou melhor, um livro sobre o gosto da leitura e sobretudo o incentivo à mesma. Pois é, Abbi Waxman fez um trabalho excecional com a história de Nina Hill!

Não creio que deva ser tarefa fácil para os autores trazerem-nos este tipo de livros, com personagens que amam os livros, tal como todos nós, pois existe sempre uma grande tentação de cair em clichés e naquilo que lhes é mais familiar. Porém, achei este livro bem escrito, bem pensado e com um ritmo perfeito. Para além de que adorei o estilo de escrita de Abbi, na terceira pessoa, sem que isso signifique que deixamos de sentir as emoções e sensações dos personagens, antes pelo contrário! Existe uma reminiscência dos romances do século XIX, que apresentavam muito este estilo narrativo, onde as descrições são vívidas e intercaladas com diálogos espirituosos e monólogos interiores. Aqui, a autora reduz as descrições ao essencial e dá-lhe um toque mais atual, apresentando-nos umas figuras das páginas do hipotético planner de Nina e dando-nos pequenos vislumbres irónicos daquilo que acontecerá em cada capítulo. Muitas vezes dou por mim a achar que este tipo de livros deveriam ter menos páginas, no entanto, neste caso eu queria que fosse mais longo. Queria saber mais de Nina, de Tom e dos seus novos e interessantes familiares.

Existem vários pontos em que me identifiquei totalmente com Nina. Primeiro o mais óbvio, o seu amor pelos livros e pela leitura, que a faz parecer um pouco anti-social, de tal modo que ela mesma admite que prefere ficar sozinha a ler um livro do que ir a encontros sejam estes de que tipo forem. No entanto, a verdade é que ela não é exatamente uma reclusa e tem mesmo uma agenda sempre bastante cheia, sobretudo desde que descobriu a existência de novos familiares (irmãos, sobrinhos, etc.) do lado do seu pai, que ela nunca conheceu em vida e que lhe deixou, após a sua morte, toda esta nova e vasta família para discernir. Tal como eu, Nina adora planear e organizar a sua semana/mês com alguma antecedência, fazendo-o com o máximo detalhe, recorrendo aos planeadores semanais usando códigos e cores, para evitar ao máximo o inesperado, que por vezes pode ser avassalador, para quem lida com elevados níveis de ansiedade. Nina acaba eventualmente por descobrir que a vida está cheia de surpresas, e que estas são mesmo a melhor coisa que temos, ainda que por vezes o inesperado, mesmo quando é algo bom (aqueles momentos de serendipity), nos deixe bloqueados temporariamente, com algum medo e bastante ansiedade. Para além do amor aos livros e aos planners, ela tem ainda um gato (que eu também adoro) e tem uma equipa de quizz (algo que eu também durante alguns anos participava com afinco e prazer). Talvez aquilo que menos me identifiquei com Nina, seja o seu amor pela homeostasia, uma vez que ela tenciona ficar para sempre no mesmo local o resto da vida, inclusive ela estava a viver relativamente perto do mar (LA) sem nunca ter ido até a costa (Malibu p.e.) o que me parece algo absurdo. Absurdo para mim, que amo conhecer sempre mais e mais. E aprecio fazê-lo através de livros sim, mas também gosto muito de viajar para conhecer novos sítios e pessoas. Nina abriu um pouco do seu mundo para abarcar as pessoas que apareceram de forma inesperada na sua vida e talvez eu devesse aprender a escolher um sítio para me fixar com as pessoas que me aparecem também de forma inesperada. 

Uma leitura divertida, leve, peculiar, envolvente, encantadora e gratificante. Este é aquele livro ideal para o verão, uma comédia romântica, leve, mas não completamente desprovido de conteúdo, cheio de sentimento, e com uma série de personagens fantásticos e divertidos, que iluminaram minha vida enquanto eu o lia. Nina é uma personagem cativante, com uma língua um pouco afiada e que consegue ser lírica nos assuntos mais obscuros, que certamente encantará o coração dos amantes de livros, para além de que o seu cérebro é uma verdadeira enciclopédia de factos e conhecimentos, tornando todo o livro mais interessante e divertido.